Comer para ganhar massa muscularNutrição

Suplementos para ganhar Massa Muscular – Pirâmide da Nutrição (pt. V)

Suplementos para ganhar massa muscular… Sim ou não?

Estás à procura de um boost no teu treino ou dieta e não sabes em que suplementos investir? Quais é que realmente valem a pena?

Quais os melhores suplementos para ganhar massa muscular

Chegámos aos mais ínfimos pormenores da dieta – os suplementos para ganhar massa muscular.

Como o próprio nome indica, são suplementos servem para complementar eventuais lacunas de uma dieta. E merecem o seu lugar na nossa pirâmide da nutrição porque, realmente, facilitam o cumprimento de diversas necessidades nutricionais.

Desde os macronutrientes às vitaminas e até aos nutrientes mais específicos – há vários suplementos que te podem ajudar a suprir as tuas necessidades. Apenas precisas de saber o que realmente precisas.

Mas calma! Antes de mais:

Só faz sentido preocuparmo-nos com X ou Y suplementos para ganhar massa muscular quando os outros aspetos (calorias, macro e micronutrientes e timings) estiverem devidamente controlados.
Caso contrário, estamos a pôr a carroça à frente dos bois.

No entanto, os suplementos não deixam de ter a sua importância. Especialmente ao facilitarem a obtenção de determinados nutrientes que te podem beneficiar ao nível da:

  1. Saúde;
  2. Performance;
  3. Bem-estar.

Mas primeiro é necessário saber quais são os suplementos que cada indivíduo precisa ou tirará proveito. Pois a maioria dos suplementos para ganhar massa muscular tornam-se desnecessários quando a dieta é adequada e equilibrada.

Então, antes de prosseguir, recomendo-te a analisar cuidadosamente a tua dieta para averiguar eventuais lacunas.
Serão estas lacunas ou défices que deverás suplementar, caso assim o entendas!

qualidade dos suplementos

Os suplementos para ganhar massa muscular não são baratos. E, por vezes, podem ser um grande desperdício de dinheiro, especialmente se não forem ao encontro das expectativas. Portanto, é importantíssimo saber o que estamos a comprar.

Por isso, antes de adquirir qualquer suplemento, devemos sempre avaliar os seguintes parâmetros:

1. Qualidade

Os ingredientes equivalem àquilo que o suplemento afirma trazer?

Por qualidade, entenda-se os ingredientes que compõem o suplemento. E não me refiro apenas ao suplemento de Creatina conter a Creatina X ou a Creatina Y, mas sim:

  • Os ingredientes utilizados são realmente específicos ao propósito do suplemento?
  • Os ingredientes utilizados são de qualidade? Ou há alternativas melhores?
  • Os (eventuais) aditivos beneficiam o utilizador?

Por isso é que é importante ler e interpretar os rótulos de quaisquer suplementos:

Não queremos comprar gato por lebre.

E uma excelente forma de obter esta informação é através de:

  • Análises de laboratório feitas pela própria marca (geralmente disponíveis no seu site);
  • Certificados de qualidade dos manufatores e/ou de empresas terceiras.

Outro fator importante de avaliar a qualidade do suplemento é evitar os Complexos de Ingredientes. E a razão é simples – estes complexos não evidenciam as quantidades de cada ingrediente. Logo, nunca poderemos mensurar a qualidade daquele produto.

Não sei se estou a comprar 10g de Creatina ou 0.01g – só sei que o complexo final pesa 20g.

2. Validade e Eficácia

Será que o suplemento funciona? Quão significativo é o efeito?

Das primeiras coisas a perceber sobre um suplemento é a sua validade. Ou seja, será que o suplemento funciona, ou não. Será que, realmente, o suplemento tem algum efeito (benéfico).

Mas não basta saber se funciona, ou não. É preciso saber a magnitude do efeito – até que ponto o efeito do suplemento se manifesta. Pois há 1001 compostos válidos (com efeito) mas cujo efeito é completamente menosprezável.

Será que adianta gastar 1000E num suplemento cujo efeito é de apenas 0.0001% ?

Então, precisamos de saber se o suplemento tem algum efeito e se este é significativo. Caso contrário, estamos a desperdiçar dinheiro nalgo ineficaz e/ou cujo efeito é irrelevante.

3. Necessidade

Preciso MESMO deste suplemento?
Ou posso apenas melhorar a minha dieta?

Este aspeto é algo que nunca me farto de frisar. Quer sejam suplementos para ganhar massa muscular, para melhorar a saúde, ou o que for. Os suplementos vêm atender a eventuais necessidades. Se não são necessários – não faz sentido tomá-los.

Por isso, antes de comprar qualquer suplemento, é fulcral avaliar a alimentação primeiro. Para averiguar se faz sentido, ou não, suplementar com X ou Y produto.

Posto isto, vamos lá à recomendação de suplementos para ganhar massa muscular.

Apenas serão referenciados suplementos válidos e com efeito significativo.
No entanto, cada caso é um caso – não compres suplementos que não precisas!

suplementos para aumentar a massa muscular

Quando falamos de suplementação não nos referimos apenas a suplementos para ganhar massa muscular puros e duros. Pois, na verdade, o processo de ganho de massa muscular não depende somente do aporte proteico e do treino. Há muito mais para além disso.

É preciso cuidar de todo o organismo para que a síntese muscular ocorra de forma ótima. E isto vai desde as preocupações com a saúde às preocupações com os outros aspetos que circundam o treino e a performance.

Ou seja, assuntos como a saúde óssea, das articulações, dos tendões e dos ligamentos são importantíssimos! Afinal de contas, são estas estruturas que vão suportar o tecido muscular. Por isso não as podemos ignorar.

Então, quando falarmos de suplementos para ganhar massa muscular, não vamos apenas pensar em Proteína, Creatina, Pré-Treinos, etc. Vamos, sim, pensar nos vários nutrientes que são necessários para um bom funcionamento do organismo total.

Um corpo com um sistema imunitário fraco e/ou ossos e articulações debilitadas por carência de certos nutrientes nunca estará em condições ótimas para o crescimento muscular.

Então, vamos começar pelos produtos que nos ajudam a cuidar da nossa micronutrição.

Embora este aspeto seja negligenciado muito frequentemente, é importantíssimo para a nossa saúde e bem-estar. Já para não falar de todos os benefícios que um aporte adequado de micronutrientes traz para a performance e crescimento muscular.

MULTIVITAMÍNICOS

Começo pelos multivitamínicos, porque são um suplemento mais geral e, normalmente, de baixo risco.

Sugiro a suplementação com multivitamínico para quem tem dificuldades com a sua micronutrição. Por isso, torna-se importante combater eventuais défices de determinadas vitaminas e sais minerais para manter uma alimentação saudável.

No entanto, a problemática dos micronutrientes é facilmente resolvida através duma alimentação equilibrada e variada q.b. Pois, na verdade, a micronutrição básica é bastante fácil de suprir – nomeadamente através de um aporte adequado de legumes e vegetais.

Obviamente, se apenas careces dum determinado micronutriente, talvez não faça sentido suplementar com um multivitamínico. Não só se torna num custo desnecessário, como há a eventual possibilidade de sobredosagem de alguns nutrientes. (1)

Se suspeitas que precisas de um multivitamínico, averigua essencialmente o teu aporte diário de vitaminas hidrossolúveis (B e C). Como não são armazenadas, é mais fácil carecer das mesmas. Logo, requerem maior atenção. Especialmente se estás a fazer uma restrição alimentar acentuada.

ÓMEGA-3

Certamente já ouviste N maravilhas sobre o Ómega-3. E com toda a razão! São ácidos gordos essenciais (que o corpo não consegue produzir) importantíssimos para a saúde, bem-estar e performance.

Mas só no caso de dúvidas quanto à importância dos Ómega-3, eis uns efeitos interessantes para o atleta:

  • Redução da inflamação crónica, evitando o catabolismo e facilitando a síntese muscular (2, 3);
  • Proteção contra o excesso de dano muscular (4);
  • Redução dos níveis de cortisol, evitando o catabolismo (5, 6);
  • Aumento da produção de testosterona (7);
  • Potenciação do sinal anabólico e da síntese muscular pós-refeição (8).

Resumindo: o ómega-3 potencia os ganhos de massa muscular e de força (9, 10, 11, 12, 13). Por isso, é um nutriente fulcral no que toca à recuperação e, claro, ao rendimento desportivo. Então, devem estar presentes na dieta de qualquer atleta!

Mas, infelizmente, continuam a ser um nutriente negligenciado pela maioria. E na verdade, atingir as 3g de ómega-3 por dia (EPA + DHA) recomendadas não é assim tão complicado. Principalmente em Portugal, onde temos peixe tão bom! (e o Sadino que o diga!)

O ómega-3 é importantíssimo para aumentar a massa muscular. Eis umas excelentes fontes alimentares desta gordura tão importante!

Mas caso não os consigas inserir frequentemente na tua dieta (pelo menos 3 vezes por semana), recomendo a suplementação. É uma forma fácil e conveniente de suprir este nutriente tão importante.

⇒ Pessoalmente, tenho sempre Ómega-3 em casa para as semanas onde não consigo comer peixe tão frequentemente como queria. Maaaaas, não há nada melhor que um salmão grelhado para obter o meu ómega-3!

VITAMINA D3

Vitamina D3… a “vitamina do sol”!

Realmente, para quem tem a sorte de ter Sol o ano todo, a vitamina D3 não costuma ser um grande problema. Basta apostar em 30 minutos de exposição solar diários para obter a vitamina D suficiente.

Atenção! A exposição solar deve ser quase total e sem vidros pelo meio. Queremos mesmo captar algumas radiações UV para conseguir sintetizar esta vitamina

Mas quando não é possível usufruir da exposição solar, a suplementação de Vitamina D3 é recomendada. Neste caso, cerca de 5000 a 8000IUs por dia será suficiente para quem praticamente não tem exposição solar. (14)

E porquê tanta preocupação com esta Vitamina?

A vitamina D é importante para o metabolismo dos minerais, saúde óssea, sistema imunitário e não só. Tem um papel relevante na síntese de testosterona e, naturalmente, no aumento da força. (15, 16, 17).

 

A Vitamina D3 é uma vitamina importantíssima para a performance desportiva. Tendo em conta que nem sempre é possível usufruir da exposição solar suficiente para a sintetizar, a Vitamina D3 tornou-se num dos suplementos para ganhar massa muscular altamente recomendáveis.

DICA: Como a Vitamina D é lipossolúvel, é melhor absorvida em refeições que contenham algumas gorduras!

suplementos para a PERFORMANCE

Dos 1001 produtos dirigidos à performance que existem no mercado, vou me restringir a apenas 2 – a creatina e a beta-alanina.

Porquê? Porque ambos foram extensamente estudados e apresentam uma validade e eficácia significativas. Logo, se é para recomendar suplementos para ganhar massa muscular, prefiro fazê-lo com base em produtos que estão comprovados que resultam.

Atenção, estes suplementos não aumentam a massa muscular por si só. No entanto, trazem benefícios para o desempenho no treino – ajudando nos processos que levam ao crescimento muscular.

Não vais ganhar massa muscular só por tomar estes suplementos.
É preciso treinar arduamente para tal. Os suplementos só irão ajudar a treinar melhor.

CREATINA

A Creatina é provavelmente o suplemento mais estudado no mercado. E, embora seja alvo de imensa polémica, a evidência defende que é seguro suplementar com as doses “normais” de creatina.

O papel da creatina reflete-se maioritariamente na obtenção de energia. Particularmente em esforços máximos e movimentos explosivos, de curta duração. (Exemplo: powerlifts, sprints, primeiras repetições de uma série, lançamentos etc.)

Neste caso, a suplementação com creatina tende a levar ao aumento da força, potência e até da resistência muscular. (18, 19, 20, 21, 22). Ou seja, para além de aumentar a produção de força, ainda permite realizar mais repetições com a mesma carga.

Ora, mais repetições = mais volume de treino = maior estímulo hipertrófico. E é por isso que a creatina é dos melhores suplementos para ganhar massa muscular.

Em termos de dosagem, 5g de Monohidrato de Creatina por dia é o indicado (e é uma dose segura!).

Pode ser feita uma fase de carga até 20g diárias durante 1 semana para preencher mais depressa as reservas. Mas não é necessário fazê-lo.

Também não há necessidade de optar por formas de creatina XPTO. O monohidrato é uma das formas mais eficazes e melhor absorvidas e, ainda por cima, é das mais baratas.

BETA-ALANINA

A Beta-Alanina é outro aminoácido com uma eficácia muito interessante para o treino de força. Esta intervém nos processos de tamponamento, ajudando a retardar a fadiga ao longo da série. (23). Especialmente em esforços de duração entre os 45 e os 240 segundos (anaeróbios).

Tal como a creatina, auxilia o crescimento muscular ao permitir uma maior acumulação de volume de treino. Pois, com uma melhor resistência é possível realizar mais repetições. (24, 25). Logo, temos um maior estímulo hipertrófico. (26).

Em termos de dosagem, 2 a 5g de Beta-Alanina por dia é ideal para melhorar a performance. O timing e a repartição deste suplemento não é muito relevante no seu efeito. Ou seja, podes tomar a tua dose toda quando quiseres ou até reparti-la ao longo do dia.

É natural experienciar uma sensação de formigueiro após a ingestão de Beta-Alanina. Trata-se de parestesia – um efeito secundário transitório e sem riscos para a saúde. Nestes casos, repartir a Beta-Alanina em doses de ~1grama tende a evitar este efeito.

outros suplementos

PROTEÍNA EM PÓ

Finalmente!

Não podíamos falar de suplementos para ganhar massa muscular sem mencionar a Proteína!

É verdade: a proteína é um macronutriente ESSENCIAL ao crescimento muscular. Mas, para surpresa de muitos, os suplementos de proteína não fazem nada de mágico. Não fazem o músculo crescer por si só e, também, não constituem uma “proteína soberana”.

100g de Proteína da Whey não te farão crescer mais que 100g de Proteína de Carne.

Por essa razão, os suplementos de proteína não são necessários. De todo! São apenas uma forma conveniente (e normalmente barata) de atingir a tua proteína diária. Mas se já comes proteína suficiente através de alimentos normais, não precisas de suplementos de proteína!

MAS…

Se queres adquirir uma proteína em pó, recomendo a proteína do leite devido ao seu excelente perfil de aminoácidos. Aqui, podes escolher entre a Proteína Whey, de absorção mais rápida, ou a Caseína, mais lenta.

Geralmente, recomendo um misto de Whey + Caseína para tirar partido do melhor de ambas. Assim, há uma disponibilização de aminoácidos rápida pela whey. E, entretanto, enquanto a caseína é digerida, são libertados aminoácidos. Assim, graças à junção de ambas as proteínas, aproveita-se uma disponibilidade de proteína durante mais tempo.

As proteínas do leite em pó são dos suplementos para ganhar massa muscular mais populares. Isto deve-se à sua excelentíssima qualidade, facilitando a síntese proteica.

CAFEÍNA

Quem é que não gosta dum belo café?

São evidentes os vários benefícios da cafeína ao nível da saúde, do emagrecimento e da performance desportiva em geral. Mas no que toca ao treino de força e ao aumento da massa muscular, a cafeína mantém um papel muito interessante:

  • Aumento da potência & força muscular (27, 28, 29, 30, 31).
  • Aumento da resistência e redução da perceção de esforço, conseguindo fazer mais repetições (32, 33).
 

Então, a suplementação de cafeína pode ajudar a aumentar a força e a massa muscular. E é especialmente eficaz quando se treina de manhã (34).

A dose ideal para potenciar a performance é entre 4 a 6mg de Cafeína por kg de peso corporal. Atletas que não consumam cafeína regularmente, começar com 100mg (~ 1 café e meio) é uma boa estratégia.

Caso o consumo de cafeína seja regular, é possível desenvolver uma tolerância ao seu efeito. Neste caso, recomenda-se 1 mês sem cafeína para dar um reset à sensibilidade à mesma. Portanto, se bebes café regularmente, é natural que precises deste período de abstinência para sentir os seus benefícios.

CÁLCIO

A suplementação de cálcio tem-se tornado importante devido à quantidade de pessoas que evitam os lacticínios hoje em dia. Pois, geralmente, dietas pobres em lacticínios tendem a carecer de Cálcio, o que é perigoso (37, 38, 39).

Todos reconhecemos a importância do Cálcio para a saúde óssea. Mas o seu papel não pára aí. O Cálcio tem um papel determinante na contração muscular. Por isso, falta de cálcio = pior performance. (Para não falar do risco de lesão!)

As 1.3g de Cálcio recomendados para atletas e indivíduos em crescimento é uma excelente dose mínima. E é muito fácil de alcançar numa dieta que contenha lacticínios. Pois, para atletas que consumam leite, iogurtes, queijo, etc. regularmente, o Cálcio não será uma preocupação.

Mas quando estas fontes não estão presentes na dieta, é fácil entrar em carência de Cálcio.

Portanto:

  • Se consomes lacticínios diariamente, não será necessário suplementar com Cálcio.
  • Se não consomes lacticínios, averigua a tua dieta e pondera a suplementação de Cálcio.

A SEGUIR NA PIRÂMIDE

Terminamos assim a nossa pirâmide dos princípios da nutrição, com o aspeto menos determinante desta hierarquia – a suplementação.

Começámos pelo aspeto mais importante – o Balanço Energético. Aqui, percebemos que as calorias são o mais determinante para perder, manter ou ganhar peso.

A seguir, tratámos da qualidade e fonte destas calorias – os Macronutrientes. Aprendemos a escolher as quantidades ideais de Proteína, Hidratos e Gorduras de acordo com as necessidades e estilo de vida.

Depois, assegurámos a qualidade da nossa alimentação através dos Micronutrientes. Delineámos estratégias para que não faltassem vitaminas e sais minerais. E ainda encontrámos forma de manter a hidratação em check.

Seguidamente, organizámos todos estes parâmetros no tempo, abordando o Timing dos Nutrientes. Interpretámos as melhores alturas para cada macronutriente, integrando-os sempre no contexto do treino. Tal como o nº de refeições diárias.

E terminámos, agora, com o tópico da Suplementação. Um tópico quase irrelevante mas ao qual se dá demasiada atenção. Infelizmente em detrimento dos aspetos acima mencionados (que são todos mais determinantes para o sucesso da dieta!).

Agora, para concluir toda esta temática, vamos abordar um pilar que é transversal ao treino e à dieta. Aliás, é aplicável ao Fitness e ao Desporto no geral. Sinceramente, considero-o fulcral para praticamente qualquer decisão na vida:

Consistência e Sustentabilidade

Porque todos estes princípios da nutrição e do treino são interessantes e benéficos. Mas sem encontrar uma forma sustentável de os aplicar, não será possível manter consistência nestes comportamentos. Logo, não será possível alcançar quaisquer objetivos.

E é por isto que cada caso é um caso. É por isto que nem sempre o melhor é a melhor opção. Porque consumir X calorias, com Y gramas de Proteína, Z vezes ao dia pode dar os melhores resultados. Mas se não for possível ser consistente com esta abordagem, não se alcançará o sucesso.

É preciso enquadrar todos estes princípios e mudanças no estilo de vida de cada um. Para que cada um consiga encontrar a melhor forma de atingir os seus objetivos. Sejam eles ganhar massa muscular, emagrecer ou apenas desenvolver hábitos mais saudáveis.

Hierarquia dos Princípios da Nutrição. Baseada no livro Muscle and Strength Nutrition Pyramid, de Eric Helms.

CONCLUSÃO

Numa dieta equilibrada, não há necessidade de investir dinheiro em quaisquer suplementos para ganhar massa muscular. As necessidades nutricionais deverão estar devidamente supridas, inviabilizando a necessidade de suplementação.

No entanto, algumas substâncias como a Creatina, Beta-Alanina e Cafeína podem ser bastante interessantes para otimizar o rendimento no treino. Embora não aumentem diretamente a massa muscular, podem melhorar a qualidade do treino. E, assim, serão potenciados os ganhos de força, massa muscular, etc.

Bons treinos!

E não te esqueças…

QUEBRA OS TEUS LIMITES!


Referências
  1. Della Guardia, L., Cavallaro, M., & Cena, H. (2015). The risks of self-made diets: the case of an amateur bodybuilder. Journal of the International Society of Sports Nutrition, 12(1), 16.
  2. Strandberg, E., Edholm, P., Ponsot, E., Wåhlin-Larsson, B., Hellmén, E., Nilsson, A., … & Kadi, F. (2015). Influence of combined resistance training and healthy diet on muscle mass in healthy elderly women: a randomized controlled trial. Journal of applied physiology, 119(8), 918-925.
  3. Calder, P. C. (2006). Polyunsaturated fatty acids and inflammation. Prostaglandins, leukotrienes and essential fatty acids, 75(3), 197-202.
  4. Corder, K. E., Newsham, K. R., McDaniel, J. L., Ezekiel, U. R., & Weiss, E. P. (2016). Effects of short-term docosahexaenoic acid supplementation on markers of inflammation after eccentric strength exercise in women. Journal of sports science & medicine, 15(1), 176.
  5. Noreen, E. E., Sass, M. J., Crowe, M. L., Pabon, V. A., Brandauer, J., & Averill, L. K. (2010). Effects of supplemental fish oil on resting metabolic rate, body composition, and salivary cortisol in healthy adults. Journal of the International Society of Sports Nutrition, 7(1), 31.
  6. Delarue, J. O. C. P., Matzinger, O., Binnert, C., Schneiter, P., Chiolero, R., & Tappy, L. (2003). Fish oil prevents the adrenal activation elicited by mental stress in healthy men. Diabetes & metabolism, 29(3), 289-295.
  7. Macaluso, F., Barone, R., Catanese, P., Carini, F., Rizzuto, L., Farina, F., & Di Felice, V. (2013). Do fat supplements increase physical performance?. Nutrients, 5(2), 509-524.
  8. Smith, G. I., Atherton, P., Reeds, D. N., Mohammed, B. S., Rankin, D., Rennie, M. J., & Mittendorfer, B. (2011). Omega-3 polyunsaturated fatty acids augment the muscle protein anabolic response to hyperinsulinaemia–hyperaminoacidaemia in healthy young and middle-aged men and women. Clinical science, 121(6), 267-278.
  9. Logan, S. L., & Spriet, L. L. (2015). Omega-3 fatty acid supplementation for 12 weeks increases resting and exercise metabolic rate in healthy community-dwelling older females. PLoS One, 10(12), e0144828.
  10. Noreen, E. E., Sass, M. J., Crowe, M. L., Pabon, V. A., Brandauer, J., & Averill, L. K. (2010). Effects of supplemental fish oil on resting metabolic rate, body composition, and salivary cortisol in healthy adults. Journal of the International Society of Sports Nutrition, 7(1), 31.
  11. Smith, G. I., Julliand, S., Reeds, D. N., Sinacore, D. R., Klein, S., & Mittendorfer, B. (2015). Fish oil–derived n− 3 PUFA therapy increases muscle mass and function in healthy older adults. The American journal of clinical nutrition, 102(1), 115-122.
  12. Strandberg, E., Edholm, P., Ponsot, E., Wåhlin-Larsson, B., Hellmén, E., Nilsson, A., … & Kadi, F. (2015). Influence of combined resistance training and healthy diet on muscle mass in healthy elderly women: a randomized controlled trial. Journal of applied physiology, 119(8), 918-925.
  13. Crestani, D. M., Bonin, É. F. R., Barbieri, R. A., Zagatto, A. M., Higino, W. P., & Milioni, F. (2017). Chronic supplementation of omega-3 can improve body composition and maximal strength, but does not change the resistance to neuromuscular fatigue. Sport Sciences for Health, 13(2), 259-265.
  14. Papadimitriou, D. T. (2017). The big vitamin D mistake. Journal of Preventive Medicine and Public Health, 50(4), 278.
  15. Tomlinson, P. B., Joseph, C., & Angioi, M. (2015). Effects of vitamin D supplementation on upper and lower body muscle strength levels in healthy individuals. A systematic review with meta-analysis. Journal of Science and Medicine in Sport, 18(5), 575-580.
  16. Dahlquist, D. T., Dieter, B. P., & Koehle, M. S. (2015). Plausible ergogenic effects of vitamin D on athletic performance and recovery. Journal of the International Society of Sports Nutrition, 12(1), 33.
  17. Chiang, C. M., Ismaeel, A., Griffis, R. B., & Weems, S. (2017). Effects of vitamin D supplementation on muscle strength in athletes: a systematic review. The Journal of Strength & Conditioning Research, 31(2), 566-574.
  18. Lamontagne-Lacasse, M., Nadon, R., & Goulet, E. D. (2011). Effect of Creatine Supplementation Jumping Performance in Elite Volleyball Players. International journal of sports physiology and performance, 6(4), 525-533.
  19. Bazzucchi, I., Felici, F., & Sacchetti, M. (2009). Effect of short-term creatine supplementation on neuromuscular function. Med Sci Sports Exerc, 41(10), 1934-41.
  20. Branch, J. D. (2003). Effect of creatine supplementation on body composition and performance: a meta-analysis. International journal of sport nutrition and exercise metabolism, 13(2), 198-226.
  21. Cramer, J. T., Stout, J. R., Culbertson, J. Y., & Egan, A. D. (2007). Effects of creatine supplementation and three days of resistance training on muscle strength, power output, and neuromuscular function. Journal of strength and conditioning research, 21(3), 668.
  22. Rawson, E. S., & Volek, J. S. (2003). Effects of creatine supplementation and resistance training on muscle strength and weightlifting performance. The Journal of Strength & Conditioning Research, 17(4), 822-831.
  23. Baguet, A., Bourgois, J., Vanhee, L., Achten, E., & Derave, W. (2010). Important role of muscle carnosine in rowing performance. Journal of applied physiology, 109(4), 1096-1101.
  24. Hoffman, J., Ratamess, N. A., Ross, R., Kang, J., Magrelli, J., Neese, K., … & Wise, J. A. (2008). β-Alanine and the hormonal response to exercise. International journal of sports medicine, 29(12), 952-958.
  25. Zoeller, R. F., Stout, J. R., O’kroy, J. A., Torok, D. J., & Mielke, M. (2007). Effects of 28 days of beta-alanine and creatine monohydrate supplementation on aerobic power, ventilatory and lactate thresholds, and time to exhaustion. Amino acids, 33(3), 505-510.
  26. Kern, B. D., & Robinson, T. L. (2011). Effects of β-alanine supplementation on performance and body composition in collegiate wrestlers and football players. The Journal of Strength & Conditioning Research, 25(7), 1804-1815.
  27. Del Coso, J., Salinero, J. J., González-Millán, C., Abián-Vicén, J., & Pérez-González, B. (2012). Dose response effects of a caffeine-containing energy drink on muscle performance: a repeated measures design. Journal of the International Society of Sports Nutrition, 9(1), 21
  28. Glaister, M., Howatson, G., Abraham, C. S., Lockey, R. A., Goodwin, J. E., Foley, P., & McInnes, G. (2008). Caffeine supplementation and multiple sprint running performance. Medicine & Science in Sports & Exercise, 40(10), 1835-1840.
  29. Astorino, T. A., Terzi, M. N., Roberson, D. W., & Burnett, T. R. (2010). Effect of two doses of caffeine on muscular function during isokinetic exercise. Medicine and science in sports and exercise, 42(12), 2205-2210.
  30. Astorino, T. A., Rohmann, R. L., & Firth, K. (2008). Effect of caffeine ingestion on one-repetition maximum muscular strength. European journal of applied physiology, 102(2), 127-132.
  31. Tarnopolsky, M., & Cupido, C. (2000). Caffeine potentiates low frequency skeletal muscle force in habitual and nonhabitual caffeine consumers. Journal of applied physiology, 89(5), 1719-1724.
  32. Da Silva, V. L., Messias, F. R., Zanchi, N. E., Gerlinger-Romero, F., Duncan, M. J., & Guimarães-Ferreira, L. (2015). Effects of acute caffeine ingestion on resistance training performance and perceptual responses during repeated sets to failure. J Sports Med Phys Fit, 55(5), 383-9.
  33. Duncan, M. J., & Oxford, S. W. (2011). The effect of caffeine ingestion on mood state and bench press performance to failure. The Journal of Strength & Conditioning Research, 25(1), 178-185.
  34. Mora-Rodríguez, R., Pallarés, J. G., López-Gullón, J. M., López-Samanes, Á., Fernández-Elías, V. E., & Ortega, J. F. (2015). Improvements on neuromuscular performance with caffeine ingestion depend on the time-of-day. Journal of science and medicine in sport, 18(3), 338-342.
  35. Kleiner, S. M., Bazzarre, T. L., & Litchford, M. D. (1990). Metabolic profiles, diet, and health practices of championship male and female bodybuilders. Journal of the American Dietetic Association, 90(7), 962-967.
  36. Walberg-Rankin, J., Edmonds, C. E., & Gwazdauskas, F. C. (1993). Diet and weight changes of female bodybuilders before and after competition. International Journal of Sport Nutrition, 3(1), 87-102.
  37. Kleiner, S. M., Bazzarre, T. L., & Ainsworth, B. E. (1994). Nutritional status of nationally ranked elite bodybuilders. International Journal of Sport Nutrition, 4(1), 54-69.

Deixar uma resposta